Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Noites de Verão

Noites de Verão

06
Ago18

Pensar um País a Régua e Esquadro (e Nível).


Paula Custódio Reis

«Precisamos de um novo Marquês de Pombal que fizesse ao País o que foi feito em Lisboa»

nível.jpg

 

 

Depois de uma grande desgraça, temos a oportunidade de, aquando da reconstrução, fazer melhor.

Sebastião de Mello teve esta visão. E conseguiu reconstruir uma Cidade, Capital de um País e de um Império, que é motivo de espanto e orgulho até aos dias de hoje.

Não o fez sozinho. Na base da estátua, que encima a Rotunda de onde saem as artérias principais do coração de Lisboa, constam também os que o aconselharam, acompanharam e orientaram.

Consta até um médico, cristão novo, exilado, natural da Raia Penamacorense. «Dos sítios Mais Sadios para fundar uma Cidade», foi, seguramente, um dos livros base para a reconstrução de Lisboa. Ribeiro Sanches, o autor, sabia bem a diferença da orientação das janelas, ou dos fundamentos básicos da salubridade urbana.

Há quase trezentos anos, com muito menos meios e menos tecnologia, com muito mais força humana e planeamento sábio, reergueu-se uma cidade.

Uma cidade harmoniosa, funcional e pensada para o futuro. Uma cidade que nos orgulha hoje, porque mostra o quanto somos capazes de ser bons a planear, a construir, a projetar.

A questão que fica, é a que subjaz ao nosso eterno Sebastianismo.

Até quando esta espera desoladora, por um herói individual, que nos venho salvar do nosso triste fado.

Quando é que perceberemos que todos os nossos heróis nacionais, só o foram porque tiveram um herói coletivo de base. Um coletivo que não se conformou com uma situação qualquer que se arrastava, que tomou a braços a mudança, porque o que existia já não servia.

Não é o herói individual que falta, é o colectivo que não se apercebe do seu papel.

Do papel de exigir e fazer. De cumprir e fazer cumprir, nos múltiplos papéis que desempenha. E que tenha a sabedoria de continuar a segredar ao ouvido de quem o representa, o que os romanos segredavam aos seu laureados «Tu és só um homem».

Porque a noção da humildade, daqueles cujos papéis é servir o colectivo, é o garante da sua constante evolução, enquanto líderes e enquanto seres humanos.

«Um forte Rei, faz forte a sua fraca gente». Este foi o segredo de Viriato, de Afonso Henriques, do Mestre de Avis, do Infante D. Henrique, de D. Pedro V, de Salgueiro Maia. E acredito que eles, mais do que saberem, sentiam que era assim. Que tinha que ser assim. Que o seu sucesso só o seria, se tivesse por base a vontade pura, daqueles que os acompanhavam.

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D