Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noites de Verão

Noites de Verão

06
Ago18

Pensar um País a Régua e Esquadro (e Nível).


Paula Custódio Reis

«Precisamos de um novo Marquês de Pombal que fizesse ao País o que foi feito em Lisboa»

nível.jpg

 

 

Depois de uma grande desgraça, temos a oportunidade de, aquando da reconstrução, fazer melhor.

Sebastião de Mello teve esta visão. E conseguiu reconstruir uma Cidade, Capital de um País e de um Império, que é motivo de espanto e orgulho até aos dias de hoje.

Não o fez sozinho. Na base da estátua, que encima a Rotunda de onde saem as artérias principais do coração de Lisboa, constam também os que o aconselharam, acompanharam e orientaram.

Consta até um médico, cristão novo, exilado, natural da Raia Penamacorense. «Dos sítios Mais Sadios para fundar uma Cidade», foi, seguramente, um dos livros base para a reconstrução de Lisboa. Ribeiro Sanches, o autor, sabia bem a diferença da orientação das janelas, ou dos fundamentos básicos da salubridade urbana.

Há quase trezentos anos, com muito menos meios e menos tecnologia, com muito mais força humana e planeamento sábio, reergueu-se uma cidade.

Uma cidade harmoniosa, funcional e pensada para o futuro. Uma cidade que nos orgulha hoje, porque mostra o quanto somos capazes de ser bons a planear, a construir, a projetar.

A questão que fica, é a que subjaz ao nosso eterno Sebastianismo.

Até quando esta espera desoladora, por um herói individual, que nos venho salvar do nosso triste fado.

Quando é que perceberemos que todos os nossos heróis nacionais, só o foram porque tiveram um herói coletivo de base. Um coletivo que não se conformou com uma situação qualquer que se arrastava, que tomou a braços a mudança, porque o que existia já não servia.

Não é o herói individual que falta, é o colectivo que não se apercebe do seu papel.

Do papel de exigir e fazer. De cumprir e fazer cumprir, nos múltiplos papéis que desempenha. E que tenha a sabedoria de continuar a segredar ao ouvido de quem o representa, o que os romanos segredavam aos seu laureados «Tu és só um homem».

Porque a noção da humildade, daqueles cujos papéis é servir o colectivo, é o garante da sua constante evolução, enquanto líderes e enquanto seres humanos.

«Um forte Rei, faz forte a sua fraca gente». Este foi o segredo de Viriato, de Afonso Henriques, do Mestre de Avis, do Infante D. Henrique, de D. Pedro V, de Salgueiro Maia. E acredito que eles, mais do que saberem, sentiam que era assim. Que tinha que ser assim. Que o seu sucesso só o seria, se tivesse por base a vontade pura, daqueles que os acompanhavam.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D