Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Noites de Verão

Noites de Verão

16
Mai17

O que é que ainda sabemos do que é nosso?


Paula Custódio Reis

PR1 Rota da Gardunha.jpgentrosa.jpg
Ocreza.jpglevada.jpg
 
Ontem, ouvi da importância de incluir nos nossos percursos educativos, os ensinamentos daquilo que é imaterial, relativamente aos sítios que habitamos.
A ligação da educação à herança deste património dos saber fazer, e dos saber ser, é fulcral para que ele se mantenha.
Conseguir identificar e classificar um património material ou imaterial, não é o mesmo que conseguir saber como esse património foi construído, como era usado e toda a riqueza das histórias (e estórias) a ele ligadas.
Fizemos (Associação Cantar de Cuco), este fim-de-semana a Rota das Levadas. Tem início em Louriçal do Campo, sobe até ao caminho do Meio, onde podemos lançar a vista a Monsanto, à Raia fronteiriça até ao Alto alentejo e a todo o Campo Albicastrense e, depois de passar por uma magnífica obra, saída da imaginação do Arquitecto Salles Viana, começamos a descer o «Canhão do Ocreza» até chegarmos à aldeia da Torre. 
Nesta Rota tentamos dar a conhecer um sistema de transporte e aproveitamento de água centenário, que são as levadas (vem do tempo dos Romanos), uma indústria que foi à época intensiva, que era a das azenhas, que fixou populações, que criou caminhos que ainda hoje existem, que atraiu mestres de outras áreas (pedreiros, comerciantes, agricultores). E, no entanto, continuamos a surprendemo-nos quando constatamos que esta nossa Ocreza, junto à Gardunha, continua a ser desconhecida, quer para os habitantes da própria freguesia, quer para o resto do Concelho e região, onde estas azenhas tinham a sua área de influência (iam até à Idanha recolher trigo, dizem).
Tenho para mim, marcadamente presente, a necessidade urgente de trabalhar estes museus vivos que são as comunidades rurais, porque são elas que sempre nos permitem recentrarmo-nos quando perdemos o nosso Norte. É parando, libertando-nos de quaisquer influências externas que conseguimos pensarmo-nos. Questionar-se deveria ser um dos grandes pilares da vivência humana.
Quando a espiral de facilitismo, que as novas tecnologias e as vivências citadinas constroem, nos faz perder o sentido, é preciso parar e perguntar porquê e para quê. Por exemplo, alguma vez se perguntaram porque é que o telefone móvel tem um toque de chamada que é um excerto de uma música? O que é que isso acrescenta? Qual é a mais valia que a tecnologia veio trazer com isso? Estamos a desperdiçar recursos, a inventar inutilidades, que seriam melhor aplicados noutras áreas, que trariam mais felicidade ao ser humano.
O que é que afinal, nos andamos a fazer a nós próprios, ou melhor, o que é que andamos a deixar que façam da nossa vida e das nossas escolhas? A ilusão de liberdade, a ilusão de que todas as decisões do nosso viver são nossas, é, para mim, a mais perigosa das ilusões, porque nos torna seres sem vontade e identidade próprias. E é a identidade, é o uso das características marcadamente pessoais que determinam uma existência plena. É a partir do encontro das diferentes existencias, do seu confronto e somatório,  que a humanidade evolui.

De contrário, estaremos somente a sobreviver. 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D