Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Noites de Verão

Noites de Verão

04
Dez17

Memórias da Água


Paula Custódio Reis

A água, por aqui, sempre foi abundante. Mas foi preciso ir buscá-la ao interior da terra. 

poço.jpg

 

 

Os antigos sabiam que ela lá estava. Diziam que corre um braço de Mar pela Gardunha. E sabiam ser essa uma das grandes riquezas desta Serra. Por causa disso, abriram minas e poços e construíram levadas. Tornaram a terra fértil e criaram um labor, o de moleiro, que deu trabalho a muitas famílias.

levada.jpg

 

 E até havia uma classe especial de homens, com uma sensibilidade especial, que, armados com um pau de marmeleiro, encaixado nos braços, descobriam com fiabilidade onde havia água em abundância. A estes homens chamou-se vedores.
O meu bisavô aliava a essa sensibilidade o saber da arte de pedreiro. Não sei se herdou ambos dos seus antepassados, que vieram de longe. O nome Braga, já bastante comum por aqui, começou por ser alcunha dado a um mestre de cantaria, trazido dessa cidade, para trabalhar na construção do colégio de S. Fiel.
Do que sei, a maior parte dos seus filhos e muitos netos, aprenderam a trabalhar a pedra.

mina.jpg


E ficaram por cá. Um deles, o meu avô, faria hoje anos. E sei que ficaria muito contente com o som desta manhã de inverno: enchadas, serras, motosserras, vozes, pássaros e abelhas. A vida, depois deste duro e longo verão, está de volta. E a herança destes homens rijos, desta e de muitas outras famílias, trabalhadores e com respeito pela natureza, continua cá.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D